HÁ UMA EPIDEMIA DE OBESIDADE NO MUNDO

Redação | 12:53 Deixe seu comentário
A obesidade, hoje, deve ser tratada como uma verdadeira epidemia, e não só no Brasil, mas em todo o mundo.

A afirmação parece estranha porque estamos habituados a empregar esse termo somente quando nos referimos a enfermidades infecciosas, como dengue, tuberculose, malária ou aids. Do ponto de vista técnico, no entanto, a obesidade dos dias atuais se enquadra perfeitamente no conceito de doença epidêmica, como tem alertado a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Se nos detivermos para olhar as pessoas que passa^ nas ruas das cidades brasileiras, notaremos um grande número delas com excesso de peso, muitas das quais nitidamente obesas.

Até a segunda metade do século XX, a desnutrição era um de nossos grandes problemas de saúde pública; hoje, a obesidade também é.

Cerca de 10% dos brasileiros adultos são obesos, e outros 30% estão acima do peso saudável.
Portanto, cerca de 50 milhões de pessoas deveriam perder peso para evitar as principais complicações da obesidade:
  • Pressão alta.
  • Diabetes.
  • Ataque cardíaco.
  • Derrame cerebral.
  • Artrites
  • Elevação dos níveis de colesterol e de trigticérides.
  • Dificuldades respiratórias
  • Certos tipos de câncer


O fenômeno é é visível nas cidades grandes e pequenas, nas capitais e no interior, nos bairros ricos ou pobres. Terá sido sempre assim, mas não prestávamos atenção, ou essa é uma característica atual?

A obesidade é, sim, uma característica atual: o peso médio de nossa população aumentou assustadoramente nos últimos anos.

Por exemplo: em 1987, na cidade de São Paulo, cerca de 6% dos homens eram considerados obesos. Em 2002, essa porcentagem havia subido para 12,4%. Nesse período, o número de mulheres obesas aumentou de 9,3 para 15%.

Drauzio Varella e Carlos Jardim
A partir do livro "Obesidade e Nutrição" (Coleção Dr. Drauzio Varela - Editora Gold)
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!