EMAGRECER : FOCO DEVE SER NA ALIMENTAÇÃO, NÃO NOS EXERCÍCIOS

Redação | 09:59 Deixe seu comentário
Não adianta cometer excessos na dieta pensando que vai ser possível compensá-los na academia. Esse é o apelo publicado por médicos e especialistas no periódico "British Journal of Sports Medicine", na última quinta-feira. Para eles, quem quer emagrecer deve se preocupar muito mais com a quantidade de calorias ingeridas do que com a qualidade de calorias gastas.




Isso fica evidente, por exemplo, quando pensamos nas mais de mil kcal calorias ingeridas em uma modesta ida ao cinema, com o consumo de um balde de pipoca e um copo de refrigerante.

Para gastar tal energia, seriam necessárias mais de duas horas de caminhada em velocidade moderada, a uma velocidade entre 5 km/h e 6 km/h, para uma pessoa que pesa 80 kg. Se a pessoa estiver correndo, precisará de cerca de uma hora e meia de atividade.

"Minha maior preocupação é que a mensagem que está sendo transmitida ao público sugere que você pode comer o quanto quiser, desde que se exercite", afirmou à BBC o cardiologista britânico Aseem Malhotra, um dos autores do artigo.

Segundo ele, muitos pacientes são injustamente levados a acreditar que não conseguem perder peso porque não se mexem o suficiente. Seria muito melhor, afirma, que elas simplesmente parassem de ingerir alimentos calóricos e especialmente bebidas açucaradas, como refrigerantes ou sucos de caixinha.

Nabil Ghorayeb, diretor da Sociedade Brasileira de Cardiologia, concorda com o artigo, em partes. "Se você tem uma alimentação desregrada, aí não tem muito o que fazer, mas mesmo quem tem uma dieta controlada e não pratica exercícios perde os benefícios que eles trazem."

Os pesquisadores que escreveram o artigo não questionam que, embora os exercícios físicos "não promovam perda de peso", eles têm outros benefícios muito importantes para a saúde.

"O sedentarismo é um fator de risco para doenças cardiovasculares", lembra Nabil Ghorayeb. A prática de atividade física aumenta a produção de moléculas que evitam a deposição de gordura nas artérias.

Além disso, a atividade física ajuda no controle da pressão arterial e aumenta os níveis de colesterol "bom", o HDL –embora os exercícios tenham pouca influência sobre os níveis de colesterol "ruim", o LDL, ligado ao consumo de gordura saturada.

Vários especialistas, no Brasil e no exterior, relativizam as conclusões do artigo de Malhotra, porém.

Susan Jebb, professora da Universidade Oxford, apontou vários estudos que comparam grupos de pacientes que só mudaram de hábitos alimentares com aqueles que fizeram isso e também passaram a fazer exercícios. Segundo ela, quem combina as duas iniciativas perde mais peso tanto no curto prazo, nos primeiros seis meses, quanto no longo prazo.

É a opinião também de Ricardo Nahas, coordenador do Centro de Medicina do Exercício e do Esporte do Hospital 9 de Julho de São Paulo. "Até dá para controlar a obesidade só mudando a dieta, mas o exercício facilita muito."
A partir da Folha de S.Paulo. Leia no original
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!